terça-feira, fevereiro 01, 2011

Seis travestis recebem prêmio literário do Ministério da Saúde em São Paulo

O GLOBO ONLINE |
AIDS | CAMISINHA | DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS | CONTRACEPTIVOS | LGBT 


SÃO PAULO - O DEPARTAMENTO DE DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde entregou nesta sexta-feira à noite, em São Paulo, a seis TRAVESTIS, prêmio por relatos de pessoas que vivem ou convivem com o vírus do HIV. Eles participaram do concurso literário "Vidas em Crônicas", que recebeu textos de todo o país. O prêmio foi um netbook.
" Temos relatos bem variados, que vão do interior do Piauí a São Paulo "
- Temos relatos bem variados, que vão do interior do Piauí a São Paulo. São relatos que mostram os conflitos delas. Elas falam sob a perspectiva TRANSEXUAL - explicou Daniel Barbosa, secretário adjunto de DST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.
Segundo ele, o objetivo foi mostrar as dificuldades e a superação dessas pessoas e ainda despertar a consciência para o fim da transfobia e pela inclusão social e redução das situações de vulnerabilidade. As histórias contadas pelas seis TRAVESTIS estarão disponíveis no site www.AIDS.gov.br.
"Por volta dos 12 anos assistia a programas televisivos que apresentavam TRAVESTIS dançando em concursos de calouros. Transportei-me para esses sonhos. Aos 17 anos decidi ir pra São Paulo, de carona. Chegando lá, trafegando por via pública, fui presa por vadiagem e comecei a perceber que a realidade seria outra" - conta uma das premiadas, Raíssa Gorbachof, de Belém.
"Para sobreviver comecei a me prostituir e, juntamente com outras TRAVESTIS, resolvi aplicar silicone líquido de forma clandestina. Pouco tempo depois, soube que 5 amigas estavam infectadas pelo HIV. Fiz o teste e deu negativo. Porém, minha felicidade foi passageira, visto que ao repeti-lo, deparei-me com a soropositividade. A partir daí minha vida tomou outro rumo, o das drogas, do roubo e da imprudência."
Entre as crônicas premiadas, está também a de Lyah Correa, outra residente de Belém, que escreveu sobre sua experiência no texto "Dosagens de coragem":
"A violência e o medo da morte me conduziam a estados de alerta. No entanto, a sensação de invulnerabilidade sexual impedia que eu fosse capaz de me proteger. Saía com vários homens e sentia prazeres diversos. Mas a possibilidade de sentir o prazer pleno resultou na descoberta de minha sorologia positiva" - escreveu, para completar: "Não me culpo por ter vivido prazerosamente, mas confesso que me senti com a necessidade de repensar minha vida, meus valores. Mas é tão difícil pensar em seguir adiante quando não se tem uma família apoiadora, quando as portas de emprego se fecham ao saber que sou uma garota com pênis chamada Jônisson, e que minha única conselheira e amiga, a noite, indignara-se por não tê-la contemplado como devia".
Beth Fernandes, de Goiânia, escreveu a crônica "Cheiro de látex":
"Ela entra no carro e lembra da experiência do trem-fantasma, não sabe o que pode acontecer lá dentro. A bolsa no colo agora não pesava tanto e tinha finalidades como defesa e proteção e dentro dela um instrumento de uso seguro - o PRESERVATIVO. Abrir a bolsa e pegá-lo tem um efeito lento, o de enamorar, o abrir de modo correto. Tirar o látex do envoltório e colocá-lo no membro é como se embrulhasse um presente. Segurar a ponta, o depósito é uma nova sensação. O vai e vem frenético parece uma dança. Esse frenesi não é incomodado pela CAMISINHA, pelo contrário, é sentido com prazer, segurança e proteção. Um suspiro final. Com as mãos tremulas, segura o látex e o nó é para descartar, tudo como se fosse uma despedida. O cheiro do látex permanece na mão como uma lembrança de comer um fruto do cerrado. E o cheiro que não sai é uma acusação do sexo seguro. Sair do carro é muito fácil. Caminhando os olhos pela rua não enxerga as monas do bate-papo e, convencida de estar segura, volta para esquina."
__._,_.___

Um comentário:

Ministério da saúde disse...

Olá, blogueiro (a)!
A melhor prevenção é a informação e usando a camisinha, todos curtem melhor a vida e sem preocupação. Homens e mulheres, de qualquer idade, orientação sexual ou classe social são vulneráveis ao vírus HIV e a outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Ajude a divulgar informações e conscientizar mais pessoas sobre as formas de contágio e prevenção de DSTs. A camisinha é segura e a maior aliada nesse combate. Ela é distribuída gratuitamente na rede pública de saúde.
Camisinha. Com amor, paixão ou só sexo mesmo. Use sempre.
Para mais informações: comunicacao@saude.gov.br, http://www.aids.gov.br ou http://www.formspring.me/minsaude
Siga-nos no Twitter: http://twitter.com/minsaude
Atenciosamente,
Ministério da Saúde.